ClickMeter

5 04 2013

Image blog cibertransistor

(artigo publicado no Blog Cibertransistor, onde colaboro regularmente)

Chamei a esta técnica ClickMeter, porque na prática não passa de um “audímetro” na forma de click. O que fiz foi durante uma semana andar com um aparelho rudimentar (contador) e sempre que tivesse sido impactado por uma mensagem publicitária (spot de tv ou rádio, imprensa, internet, outdoor, …) clicava e aumentava o contador.

Pela imagem podem ver que nem sempre os valores são regulares, mas também não é suposto serem, os valores mais baixo são inclusive durante o fim de semana, menor tempo de deslocação automóvel, menos contacto com a internet (no meu caso), e estamos também numa altura do ano não muito propícia a saídas e deslocações.

Fazendo uma média diária, cheguei á conclusão que terei sido impactado com qualquer coisa como 168 menções, é provável que há quem seja mais, há quem seja menos, no meu caso foram estas. Cheguei a pesquisar em sites e alguns artigos/estudos falavam em valores muito mais elevados e com muito mais exposições.

Fiz e confeso que fiz um esforço enorme para no final do dia lembrar-me de tudo ou quase tudo o que tinha visto, e cheguei á seguinte conclusão.

Lembrava-me das marcas ou campanhas que:

  • Teriam maior repetição e presença (seja na rádio, tv ou outdoor)
  • Aquelas que foram planeadas em multimeios (presença em mais que um meio)
  • Aquelas que me causaram maior impacto e atenção (grandes formatos de outdoor)
  • Aquelas que não consegui desviar a atenção (em cinema, sim consegui ir ao cinema, ou na internet)
  • E as verdadeiramente criativas pela imagem, claim, música, …

Tenho de referir que este estudo foi feito por mim, a amostra sou eu, o universo sou eu, mas as conclusões acho que são mais ou menos óbvias, é difícil as marcas sobreviverem e captarem a atenção dos consumidores o share of atention não é só na categoria, mas com tudo o que comunica e impacta o consumidor. Novas formas e maneiras de comunicar são necessárias (e elas existem não são é tão massivas)

Estará este modelo de compra de publicidade (Bought Media) ultrapassado? Acho que não. Precisamos de continuar a perceber o que as marcas nos querem dizer, os produtos que querem vender, e esta forma de comunicar cumpre um papel fundamental, o de contribuir para awareness da marca, o dar a conhecer a marca.

Na altura de ir ao supermercado, escolha de automóvel, operadora de telecomunicações, … virão á memória estas imagens e o que as marcas queriam transmitir.

Experimentem fazer este mesmo exercício, se não for com um contador destes e se tiverem um android ou iphone, basta pesquisar uma app que sirva de counter, que tem o mesmo efeito.

Experimentem e venham colocar aqui os vossos valores

Anúncios




Infographic – The Value of E-mail marketing

28 09 2011

Abro no blog uma nova categoria dedicada aos Infographics, poderão ver os exemplos que vou compilando no menu em cima  — Infographics

Links originais:

http://emailcritic.com/2011/09/the-value-of-email-marketing/





Who’s Using What Media and When?

28 09 2011

(artigo publicado no Blog Cibertransistor, onde colaboro regularmente)

Sou um adepto dos Infographics, aquele velho ditado de “vale mais uma imagem que 1000 palavras” adapta-se perfeitamente quando toca a colocar informação relevante, normalmente em quantidades acima do desejado (mas que até resulta), de leitura fácil e de design apelativo.

Descobri esta elaborada pela empresa MRAonline.com com dados da AdAge e Magid Generational Strategies.

O que me chama a atenção nesta divisão geracional por idades (Baby Boomers, Generation X, …) e os seus hábitos de consumo de meios online e offline.

Destaco 3 aspectos:

– As 3 gerações mais jovens (Millennials e iGen), abaixo dos 30 anos consomem de uma forma geral mais media que as 2 gerações acima.

– O consumo de actividades online já ultrapassa o consumo de actividades offline em alguns segmentos e faixas horárias.

– Os segmentos mais elevados (acima dos 30 anos), especialmente os Baby Boomers, tendem a consumir media mais tradicional por oposição aos segmentos mais baixos.

O consumo dos media está a alterar-se, vai-se alterar e as gerações mais jovens, que de uma forma natural vão-se tornar as mais velhas, vão atribuir um peso diferente ao online, daquele atribuído pelos seus Pais e Avós.

Media Consumption - 2011
Created by: MBA Online





Ensitel, e a orelha de Van Gogh

30 12 2010

Tornei-me fã da página “Nunca mais compro nada na Ensitel” não sei bem porquê, na prática não me lembro de alguma vez ter comprado lá alguma coisa, não que tenha alguma coisa contra a marca, mas na verdade nunca me disse muito,  e juro mesmo que faça um exercício grande de memória, não me recordo de alguma comunicação, anúncio, spot que a marca tenha feito ou divulgado.

E eis que andando a navegar pela net, e vou jurar também, que ultimamente não tenho tenho tido muito tempo para olhar para a televisão, me deparo com este aparato todo á volta de um blog, um consumidor, uma marca e as proporções que o caso levou em 24 horas.

Não vou divulgar nºs pois de certeza estariam desactualizados logo a seguir, nem vou comentar juridicamente se os tribunais fizeram bem, decidiram bem, se a Ensitel tem razão (riscos feitos), ou se a Jonas tem razão (riscos já estavam), …

Mas o que é absolutamente incrível é a maneira feudal, arcaica, prepotente, anti-marketing, anti bom senso, tirana, ditatorial que a Ensitel adoptou, e como tentou aniquilar a voz de um consumidor, a voz de uma reclamação.

A única coisa que valeu á marca, é ver o seu nome inscrito nos compêndios, mercatore’s, como um caso de como não tratar uma crise, ou um consumidor. Disso já não se livra.

As restantes marcas, organizações podem estar agradecidas pela aula em tempo real, ao vivo e a cores, uma pós-graduação virtual (sem pagarem nada) de como não devem proceder quando recebem uma reclamação de um cliente. A Ensitel, Ensit(n)ou-nos a todos.

Neste País (não sei se noutros), fruto de uma herança que a reclamação não dá em nada, que o livro de reclamações não adianta de nada (e acreditem que tenho feito algumas, especialmente nos serviços públicos), estes assuntos são tratados como se de um procedimento administrativo se tratasse, reclamação é com o departamento júridico, que não percebe patavina de marketing, de comunicação.

A ver vamos no que vai dar este caso, de como a Ensitel vai descalçar esta bota, se tem razão, deve manter a sua posição e levar o caso até ás últimas consequências, agora vir pedir desculpas publicamente não adianta (mas ficava-lhe bem), pode ser que acalmasse os ânimos.

Agora que a Ensitel e as Ensiteis todas sofrem do que VanGogh sofria é verdade, cortam a orelha, quando não conseguem lidar com ela. Já em tempos tinha escrito um post onde dizia que as marcas como diria um amigo meu têm de estar dispostas a ter 2 orelhas e uma boca, para ouvirem o dobro daquilo que falam.

Mas isto é a minha opinião a de um simples consumidor.





ESOMAR – Online Research 2010 – 2nd Day

19 10 2010

Apresentação feita pelo facebook, onde mostra as metodologias que estão a desenvolver com a Nielsen, no seu recente produto BrandLift, lançado no início do ano no UK. A Nielsen está a desenvolver uma aliança estratégica com o facebook, com questionários colocados on-line, podem avaliar produtos, imagens, creative testing. O facebook é uma plataforma ideal de serem colocados estudos, sondagens, questionários. O elevado uso da plataforma, nº de horas que os utilizadores passam na mesma (ver vídeo mais abaixo com alguns números), permite essa interacção, e os utilizadores estão aptos a responder e colaborar com a mesma. Foi mostrada uma coorelação (94%) entre estudos facebook e tradicionais. A grande questão da sala é a constatação de que o Facebook está agora (a sério) no negócio do Research. Estaremos na frente de uma nova empresa de research, ou uma forte parceria com a Nielsen e aproveitamento da plataforma.

Leia o resto deste artigo »





ESOMAR – Online Research 2010 – 1st Day

18 10 2010

Numa das apresentações “Negative Publicity” apresentada por Kyle Findlay da TNS, foi dado ênfase aos comentários e posts colocados na Social media, que podem influenciar negativamente as marcas, os exemplos apresentados passaram desde um e-mail trocado entre um restaurante e um cliente (a propósito de uma reserva de mesa), que foi parar aos blogues, e passou as barreiras de conversa entre cliente e fornecedor para se tornar domínio público de discussão. Outro exemplo apresentado e como não poderia deixar de ser a questão de Tiger Woods, relativamente á sua infidelidade, e como isso foi propagado pela media (on-line, off-line) e que marcou negativamente as marcas patrocinadoras (Nike, Accenture, EA Sports, …)

As marcas hoje encontram-se mais expostas, por via da exposição a que estão sujeitas na social media, há que monitorizar, acompanhar.

Leia o resto deste artigo »





ESOMAR – WM3 2010 – Worldwide MultiMedia Measurement – Your audience = media consumer + generator – Overview

15 10 2010

ESOMAR – WM3 2010 – Worldwide MultiMedia Measurement – Your audience = media consumer + generator – Overview.