Será o GRP a medida adequada para a Internet?

13 07 2010

(artigo publicado no Blog Cibertransistor, onde colaboro regularmente)

Em finais de Abril deste ano, foi-me lançado o desafio pela Microsoft (Creative Confident Event) de comparar ou tentar comparar métricas entre os meios convencionais (nomeadamente TV) e a Internet.

O que me veio logo á cabeça, até porque lido diariamente com estas métricas é se o GRP (Gross Rating Point) seria a medida indicada para a medição da Internet.

Como acho que muitas cabeças pensam mais que uma recorri ás minhas comunidades (Facebook, Twitter, LinkedIn, Plaxo), para fazer essa questão, os resultados apontam para uma maioria de respondentes a dizer que não (57%). E não porquê?

Fui recebendo feeed-back durante a apresentação e em comentários no inquérito, que a Internet, ou a comunicação na Internet, tem uma capacidade acrescida de gerar envolvimento, “engagement”, afinidade, “creating time”, interactividade, … e como tal ver a internet na perspectiva redutora do GRP seria mau.

Concordo em absoluto e acrescento o efeito exponencial quando passamos para Social Media e comunicamos através de Social Media (avassalador o tempo de interacção quantitativo e qualitativo)

Mas…

Leia o resto deste artigo »





Nem tudo poderá ser feito por máquinas

23 11 2009

Não sei ao certo qual a data de lançamento destes serviços por parte do Google, mas o certo é que tentou ou colocou-os em prática, nomeadamente no mercado Americano.

O Google á semelhança daquilo que faz na Web, passou/tentou passar o mesmo conceito para TV, Rádio e Imprensa.

Assim poderíamos licitar o CPM (Custo por mil contactos) que estaríamos dispostos a pagar e as nossas campanhas de TV, Rádio, Imprensa seriam colocadas directamente nas networks escolhidas.

Se no caso da TV, as coisas parecem estar implementadas, já na Rádio e Imprensa, revelou-se um fracasso, ver artigo publicado no Wall Street Journal.

Leia o resto deste artigo »





Fábrica dos GRP’s vai diminuir a produção – IIªParte

17 09 2009

No post anterior falei das questões técnicas/modificações da medição das audiências, neste falarei na eventual repercussão que isso possa trazer para o actual modelo de compra e venda de espaço publicitário. Com o efeito de diminuição das audiências nos canais aerial e aumento nos canais cabo, existirá um menor volume de GRP’s (Gross Rating Points) disponíveis para as marcas e anunciantes. A % de ocupação de espaço publicitário encontra-se regulada, não havendo lugar a aumentos, sendo a tendência exactamente o contrário.

Leia o resto deste artigo »