Ensitel, e a orelha de Van Gogh

30 12 2010

Tornei-me fã da página “Nunca mais compro nada na Ensitel” não sei bem porquê, na prática não me lembro de alguma vez ter comprado lá alguma coisa, não que tenha alguma coisa contra a marca, mas na verdade nunca me disse muito,  e juro mesmo que faça um exercício grande de memória, não me recordo de alguma comunicação, anúncio, spot que a marca tenha feito ou divulgado.

E eis que andando a navegar pela net, e vou jurar também, que ultimamente não tenho tenho tido muito tempo para olhar para a televisão, me deparo com este aparato todo á volta de um blog, um consumidor, uma marca e as proporções que o caso levou em 24 horas.

Não vou divulgar nºs pois de certeza estariam desactualizados logo a seguir, nem vou comentar juridicamente se os tribunais fizeram bem, decidiram bem, se a Ensitel tem razão (riscos feitos), ou se a Jonas tem razão (riscos já estavam), …

Mas o que é absolutamente incrível é a maneira feudal, arcaica, prepotente, anti-marketing, anti bom senso, tirana, ditatorial que a Ensitel adoptou, e como tentou aniquilar a voz de um consumidor, a voz de uma reclamação.

A única coisa que valeu á marca, é ver o seu nome inscrito nos compêndios, mercatore’s, como um caso de como não tratar uma crise, ou um consumidor. Disso já não se livra.

As restantes marcas, organizações podem estar agradecidas pela aula em tempo real, ao vivo e a cores, uma pós-graduação virtual (sem pagarem nada) de como não devem proceder quando recebem uma reclamação de um cliente. A Ensitel, Ensit(n)ou-nos a todos.

Neste País (não sei se noutros), fruto de uma herança que a reclamação não dá em nada, que o livro de reclamações não adianta de nada (e acreditem que tenho feito algumas, especialmente nos serviços públicos), estes assuntos são tratados como se de um procedimento administrativo se tratasse, reclamação é com o departamento júridico, que não percebe patavina de marketing, de comunicação.

A ver vamos no que vai dar este caso, de como a Ensitel vai descalçar esta bota, se tem razão, deve manter a sua posição e levar o caso até ás últimas consequências, agora vir pedir desculpas publicamente não adianta (mas ficava-lhe bem), pode ser que acalmasse os ânimos.

Agora que a Ensitel e as Ensiteis todas sofrem do que VanGogh sofria é verdade, cortam a orelha, quando não conseguem lidar com ela. Já em tempos tinha escrito um post onde dizia que as marcas como diria um amigo meu têm de estar dispostas a ter 2 orelhas e uma boca, para ouvirem o dobro daquilo que falam.

Mas isto é a minha opinião a de um simples consumidor.

Anúncios




As Marcas e comunicação na blogosfera

6 11 2009

As novas plataformas de comunicação on line, nomeadamente Facebook, Twitter ou outras como Youtube, Flickr, tornaram-se de repente para os Marketeers, marcas um local desejável ou desejado de estar e comunicar, se é certo que o ritmo de crescimento das mesmas tem sido extraordinário e alucinante, e com investimentos relativamente baixos (comparados com a comunicação tradicional) consegue-se criar uma página no facebook, um grupo, ou conta de twitter, o certo é que para ser feito e bem feito necessita de algum engenho, mestria.

Explico Porquê, e este claro está é o meu ponto de vista.

Leia o resto deste artigo »